Ativista iraniana Narges Mohammadi recebe o Nobel da Paz


 

TV - 06/10/2023 - 07:35:27

 

Ativista iraniana Narges Mohammadi recebe o Nobel da Paz

Ativista iraniana Narges Mohammadi recebe o Nobel da Paz

 

Da Redação com Abr

Foto(s): Reprodução OMCT

 

Nome foi anunciado com o slogan

Nome foi anunciado com o slogan "Mulher, Vida, Liberdade"


O Comitê Norueguês do Nobel anunciou nesta dia 6 que o ativista iraniano Nargis Mohammadi ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2023.

"Mulheres, vida, liberdade." Foi com este slogan que a comissão anunciou o nome do vencedor. A questão mobilizou milhares de manifestantes no Irão nos meses desde que Mahsa Amini, um jovem curdo, morreu sob custódia policial por usar incorrectamente um véu islâmico.

Nargis Mohammadi é um dos mais proeminentes activistas dos direitos humanos do Irão, especialmente pela defesa dos direitos das mulheres e pela abolição da pena de morte.

O activista cumpre actualmente um total de 12 anos na prisão de Evin, em Teerão. Ela foi acusada de espalhar propaganda contra o Estado, entre outros crimes.

O comité norueguês sublinhou que a “luta corajosa” de Nargis Mohammadi pela liberdade de expressão teve um “enorme custo pessoal” para ele.

Ele acrescentou: “No total, o regime iraniano deteve Nargis 13 vezes, condenou-a cinco vezes e sentenciou-a a um total de 31 anos de prisão e 154 chicotadas”.

Narges Mohammadi é vice-presidente do Centro para os Defensores dos Direitos Humanos, uma ONG fundada pela vencedora do Prémio Nobel da Paz de 2003, Shirin Ebadi, para defender os direitos das crianças, das mulheres e dos refugiados.

Protestos inauguram mudanças “irreversíveis”
“O comité norueguês decidiu atribuir o prémio à activista em reconhecimento da sua luta contra a opressão das mulheres no Irão e para promover os direitos humanos e as liberdades para todos”.

O prémio “também reconhece as centenas de milhares de pessoas que protestaram no ano passado contra as políticas discriminatórias e opressivas do regime teocrático do Irão contra as mulheres”.

O comitê acrescentou: “O lema adotado pelos manifestantes – ‘Mulher – Vida – Liberdade’ – fala muito sobre a dedicação e o trabalho de Nargis Mohammadi”.

Numa entrevista à AFP em Setembro passado, o activista argumentou que a morte de Martha Amini sob custódia policial e os protestos subsequentes trouxeram mudanças “irreversíveis” ao Irão.

Ele acreditava que “este movimento acelerou o progresso da democracia, da liberdade e da igualdade” e “minou os fundamentos do governo religioso autoritário”.

'Dor indescritível'

Nargis Mohammadi tem 51 anos. Nasceu em 1972 em Zanjan, a noroeste de Teerã. Ele estudou física na faculdade, mas acabou se dedicando ao jornalismo. O seu marido, Taghi Rahmani, é um jornalista iraniano que passou 16 anos na prisão. Em 2011, ele foi considerado pelos Repórteres Sem Fronteiras como o “jornalista mais detido” do Irã. Desde 2012 vive exilado na França com os dois filhos do casal (hoje com 17 anos).

Numa entrevista ao The Nation em Dezembro de 2022, Rahmani disse que a mulher não via os filhos há sete anos e, durante pelo menos sete meses, nem sequer estava autorizada a comunicar com eles.

“Esta é uma dor insuportável e indescritível”, disse o ativista em resposta a uma pergunta da AFP sobre a separação familiar.

A cerimônia de entrega do Prêmio Nobel da Paz será realizada em Oslo no dia 10 de dezembro.

Em 2022, o Prémio Nobel foi atribuído a Ales Bialiatski da Bielorrússia, ao Memorial dos Direitos Humanos na Rússia e ao Centro para as Liberdades Civis na Ucrânia.

* Com informações de diversas agências internacionais

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Ação na Justiça questiona parecer que autoriza venda da Sabesp


Brasil conhece adversários da Copa América 2024


No G20, Banco Central quer criar regras para pagamentos internacionais


Palmeiras conquista o Dode Campeonato Brasileiro de sua história


Assembleia Legislativa de São Paulo autoriza processo de desestatização da Sabesp


Brasil não avança na meta de universalização da educação infantil