Ave, Bolsonaro, os que vão morrer te saúdam!, escreve Thomas Traumann


 

Opinião - 06/05/2021 - 05:59:55

 

Ave, Bolsonaro, os que vão morrer te saúdam!, escreve Thomas Traumann

Ave, Bolsonaro, os que vão morrer te saúdam!, escreve Thomas Traumann

 

Da Redação com Poder 360

Foto(s): Reprodução

 

Capa do site

Capa do site


Qual é o papel de um líder? Na batida definição de quem só leu Nicolau Maquiavel por citações, o Príncipe pode ser amado, como Barack Obama ou Donald Trump foram cada um a seu jeito, ou temido, como é Vladimir Putin. Mas a sua liderança se desenvolve na sua capacidade de influenciar e integrar uma nação. Jacinda Arden liderou a pequenina Nova Zelândia numa travessia elogiada na pandemia, enquanto os sinais contraditórios dos chefes de governo de EUA, Brasil e Índia levaram seus países aos piores resultados.

Mas para além dos erros administrativos –da ausência de campanhas de comunicação pró-distanciamento social, falta de encomendas de vacinas e incentivo ao uso de charlatanices como a cloroquina– qual o limite da influência de um líder sobre os seus liderados? Estudo recém publicado na Social Science Research Network mostra que o limite do bolsonarismo é a morte.

Pesquisa comparando as cidades onde Bolsonaro teve as maiores vantagens ante Fernando Haddad no 2º turno de 2018 com a evolução do registro de casos e de mortes por covid demonstra para além da dúvida uma associação entre o discurso negacionista do presidente e a propagação do vírus. Nas cidades onde Bolsonaro teve mais de 70% dos votos válidos no 2º turno, o número de mortes por habitante foi quase 7 vezes maior do que nas cidades onde ele venceu por pouco. Mais grave: o estudo mostra um crescimento no número de casos e de mortes logo depois dos discursos do presidente minimizando a doença.

O levantamento dos professores Sandro Cabral (Insper), Leandro Pongeluppe (Universidade de Toronto, Canadá) e Nobuiuki Ito (Ibmec) é sofisticado (você pode ler a íntegra aqui – 1 MB). A colunista Eliane Cantanhêde, do Estadãopublicou texto sobre o material.

O estudo relaciona os 5.570 municípios brasileiros por margem de vitória bolsonarista com os registros de contaminados e óbitos por covid em cada cidade e a evolução dos casos nas semanas posteriores a 5 pronunciamentos por rádio e TV de Bolsonaro. Em todos as falas o presidente foi explícito em defender a volta ao trabalho contra a “gripezinha”. E todas as vezes, o resultado foi que a influência de Bolsonaro fez aumentar a procura por leitos dos hospitais e covas nos cemitérios. A associação é direta.

A divulgação do estudo no início dos trabalhos efetivos da CPI da Covid demonstra que a responsabilidade do presidente na tragédia que tirou a vida de 414 mil brasileiros não se limitou ao desastre da gestão no Ministério da Saúde e à falta de vacinas nos postos. Com seu discurso transformando a covid numa disputa de versões, Bolsonaro incentivou os brasileiros a saírem às ruas e enfrentarem o vírus como homens. E morrerem por isso.

“Os líderes negacionistas devem sofrer resistência enfática e serem e dissuadidos de sua postura o mais cedo possível. Caso contrário, o seu estilo negacionista pode ser desastroso tanto para a comunidade nacional, quanto internacional”, escreveram os professores em sua conclusão.

https://thetrustproject.org/

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Até as condições mínimas de trabalho estão em risco na Engenharia


Prefeitura de São Bernardo ultrapassa 500 mil doses aplicadas contra a Covid-19


Promotores de NY acusam a Trump Organization de fraude e crimes fiscais


Diretor do Ministério da Saúde pediu propina de US$ 1 por dose de vacina, diz jornal


Prefeitura de São Bernardo lança programa Viela Pet Parque no Rudge Ramos


Prevaricação? Bolsonaro cometeu no caso Covaxin?