TJ-SP devolve mandato a prefeito de Mauá, cassado por deixar cargo vago ao ser preso


 

ABCD - 09/09/2019 - 15:30:34

 

TJ-SP devolve mandato a prefeito de Mauá, cassado por deixar cargo vago ao ser preso

TJ-SP devolve mandato a prefeito de Mauá, cassado por deixar cargo vago ao ser preso

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


A 4ª de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (Processo 2100037-40.2019.8.26.0000concedeu liminar para devolver o mandato do prefeito de Mauá Átila Jacomussi (PSB), cassado em abril deste ano pela Câmara dos Vereadores por ter deixado o cargo em aberto, sem autorização do Legislativo, por mais de 15 dias enquanto esteve preso. A defesa entrou com ação anulatória com tutela de urgência, mas a liminar foi negada em primeira instância.

No TJ-SP, porém, o entendimento foi outro. Segundo a relatora Ana Liarte, o afastamento do prefeito não se deu por ato voluntário, o que necessita de autorização da Câmara, mas sim por ter sido preso. Justamente por isso, a relatora não vislumbrou violações ao inciso IX do art. 4º do Decreto-Lei 207/1967, nem dos arts. 56 e 57 da Lei Orgânica do Município de Mauá. Isso porque, os dispositivos exigem a autorização legislativa em hipóteses em que há livre arbítrio do prefeito, o que não aconteceu com Jacomussi.

A relatora também destacou divergências entre a denúncia inicial de impeachment protocolada na Câmara, que não citou claramente a vacância superior a 15 dias, e o relatório final da comissão processante. Por unanimidade, o TJ-SP decidiu conceder a liminar e, dessa forma, Jacomussi vai reassumir o cargo imediatamente enquanto a ação anulatória não é julgada.

Para o advogado do prefeito, André Lemos Jorge, a decisão abre um precedente importante no tribunal. “Poderia, ou deveria, o prefeito pedir licença preconizada pela lei estando encarcerado? Constitui infração político-administrativa o afastamento da prefeitura por mais de 15 dias, sem autorização do Legislativo, porém em decorrência de prisão preventiva? Para nós, a resposta é não”, afirmou. Foi esse, também, o entendimento dos desembargadores.

Segundo o advogado, a perda da capacidade política é apenas “excepcionalmente admitida nos Estados Democráticos de Direito. Interpretar as normas constitucionais ou infraconstitucionais de modo extensivo ou ampliativo para fins de cassação representa grave e frontal ataque à democracia”.

André Lemos Jorge também atuou no processo perante o TJ-SP que reconduziu o prefeito de Mongaguá, Marcio Melo ao cargo, em outubro de 2018.

Relembre o caso

O mandato de Átila Jacomussi foi cassado pela Câmara Municipal em abril deste ano em sessão que durou mais de sete horas. Foram 16 votos a 5. Ele foi acusado por crime de responsabilidade por ter deixado a Prefeitura vaga por mais de 15 dias enquanto esteve preso. Os direitos políticos de Jacomussi também foram suspensos por cinco anos.

Ele foi preso duas vezes, em maio e dezembro de 2018, acusado de irregularidades em licitações e desvio de verbas destinadas a merenda escolar. Nas duas ocasiões, foi solto por decisões do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. O último habeas corpus foi expedido em fevereiro deste ano.

Segundo juiz da turma julgadora, o desembargador Ricardo Feitosa citou as decisões do STF para justificar a decisão a favor de Jacomussi. “Uma ausência do prefeito por prisão que infringiu decisão do STF não pode ensejar cassação”, disse.

Em liberdade, Jacomussi reassumiu o cargo. Na ocasião, houve uma pequena cerimônia na Prefeitura em que o político discursou e afirmou ser um democrata, e principalmente republicano. “Tudo tem de ser investigado mesmo. Quem não deve, não teme. Sei que vou provar minha inocência”, disse. Porém, dois meses depois, foi cassado pela Câmara. Quem assumiu o cargo foi vice-prefeita Alaíde Damo (MDB).

* Com informações do Conjur-TJ-SP

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial