Sem moeda & sem cartão


 

Opinião - 22/02/2019 - 06:55:49

 

Sem moeda & sem cartão

Sem moeda & sem cartão

 

José Renato Nalini * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e conferencista, autor de “Ética Geral e Profissional”, 13ª ed.RT

José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e conferencista, autor de “Ética Geral e Profissional”, 13ª ed.RT


A moeda tende a desaparecer. Ela já serviu à Humanidade durante milênios. Aos poucos foi cedendo espaço para o cartão. E este não terá vida longa. As transferências financeiras já são virtuais e se tornarão cada vez mais rotineiras. O computador, os aplicativos de smartphones, os dispositivos “wearables”, como óculos, relógios, pulseiras e canetas, vão fazer melhor serviço do que o pouco higiênico dinheiro e o contaminado cartão de plástico.

As megatendências mostram que até 2020 – é logo ali!...- quase oitocentos bilhões de pagamentos se farão instantânea e digitalmente. Isso já é realidade constatada pelo Banco de Compensações Internacionais – BIS, que define: os pagamentos instantâneos são transferências eletrônicas em que a transmissão da mensagem de pagamento e a disponibilidade de fundos ao beneficiário final ocorrem em tempo real. É um serviço disponível vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, trezentos e sessenta e cinco dias por ano.

É óbvio que em países de desenvolvimento retardado – o adjetivo é proposital – não se caminhe tão rapidamente como na Escandinávia. Mas até o Quênia tem 31% do PIB movimentado pelos aplicativos. Na China, dinheiro convencional é raridade. Todo chinês desperto para o consumo aponta o celular para um código, do tipo QR Code, que identifica a carteira digital do vendedor e confirma o pagamento.

Os mendigos já dispõem de seu próprio código para receber esmolas. O chinês é tão fanático por acelerar o desenvolvimento que dispensou o cartão de crédito. Do papel moeda, passou logo para o celular. Em 2016, cinco trilhões de dólares foram assim movimentados.

No Brasil, mais da metade – ou, mais exatamente, 52% - dos pagamentos são feitos em dinheiro. Mas os Bancos estão adiantados na tarefa de propiciar a seus correntistas o acesso ao mundo digital. Tanto que o mobile banking cresceu 70% entre 2016 e 2017, informa Celso Ming, (“Adeus, Cartão de Crédito”, FSP, 17.8.18). E Rômulo Dias, Diretor-Presidente do Grupo UOL deixou a Cielo para assumir uma experiência em fintech, a Pag-Seguro. Para ele, as fintechs promovem inclusão financeira. Já são seis milhões de micro, pequenos e médios empresários, muitos sem conta em banco, que oferecem aos clientes vendas pela internet.

O avanço da tecnologia barateia o custo das transações. As fintechs ofertam contas digitais sem custos e sem tarifas por transação. Existe uma lei em vigor – 12.865, de 2013 – que estimula a inovação e a diversidade de formas de pagamento. Além do QR Code, pode-se adotar o P2P, forma de pagamento de pessoa a pessoa.

O mundo é outro e as pessoas querem resultado. Exigem eficiência. Já não suportam burocracia. Esta, além do anacronismo, sugere corrupção. Por isso é que o Estado deve se reduzir ao máximo, para que a iniciativa privada, que tem de sobreviver aos desmandos do governo, assuma as rédeas do convívio. Afinal, o soberano é o povo, não o governante. Pelo menos, é o que ainda diz a “Constituição Cidadã”, que logo mais completará seus trinta anos.

* José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e conferencista, autor de “Ética Geral e Profissional”, 13ª ed.RT

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Governo do Estado anuncia medidas para fortalecer o setor automotivo


Bolsonaro assina MP determinando que contribuição sindical deve ser cobrada por boleto


Lula volta para carceragem em Curitiba após cremação do corpo do neto


Lula acompanha velório do neto Arthur em São Bernardo


Turismo interno deve girar R$ 3,5 bilhões no estado do Rio de Janeiro


Balança comercial tem segundo melhor saldo da história para fevereiro