Opinião - 02/06/2017 - 10:45:12

 

A democracia não pode degenerar em anarquia

A democracia não pode degenerar em anarquia

 

Júlio César Cardoso * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC


Assistimos, na tribuna do Congresso Nacional, ao revezamento de parlamentares   da esquerda festiva, que  empregaram o seu tempo para protestar contra a convocação das Forças Armadas para pôr ordem em Brasília, onde baderneiros de tendências nitidamente esquerdistas desembarcaram para subverter a ordem e atacar de forma covarde os prédios públicos, pondo em risco a vida de pessoas.

O que houve na capital federal  foi a desmoralização da democracia, patrocinada pelos anarquistas dos partidos de esquerdas, que não engoliram até hoje o impeachment constitucional da incompetente, e agora implicada na Lava-Jato e JBS, Dilma Rousseff.  Assim, a transgressão das regras democracia por manifestantes baderneiros não encontra razoabilidade no espírito democrático de nação civilizada.

O direito democrático de se manifestar de forma civilizada tem amparo em nossa Constituição. Agora, a ação anárquica daqueles que  subvertem a ordem e partem para a agressão de cidadãos e dos bens públicos deve ser repelida não só com a veemência da lei, mas também com  o emprego moderado do aparato militar.

Deste modo, causa perplexidade que parlamentares e sectários de partidos de esquerda venham de forma hipócrita e demagógica defender os baderneiros e condenar a convocação  das Forças Armadas, fazendo conotações rasteiras ao período do governo militar.

Jamais Brasília foi palco de tamanha selvageria, tendo os seus prédios públicos danificados e saqueados por bandos de militantes vermelhos, que não respeitam o Estado Democrático de Direito.  

Não se  pode aceitar que a democracia degenere em anarquia. As Forças Armadas têm que ser acionadas sempre que o país ficar incontrolável, como se encontrava Brasília, em 24/05/2017. E é pena que o pusilânime governo Temer tenha se acovardado diante das críticas sofridas, mormente pelos sectários esquerdistas e resolvido recuar, mandando suspender a presença das Forças Armadas nas ruas de Brasília.

O Brasil continuará ingovernável se não houver uma ampla reforma política já, para que esteja em vigor nas próximas eleições gerais, em outubro de 2018, e na qual os interesses maiores do Brasil, da sociedade enfim, prevaleçam  em relação aos interesses políticos.

Sem uma ampla reforma política, o Brasil permanecerá mergulhado em crises política social e econômica, que atrapalham a retomada do crescimento e a volta dos empregos, que hoje representam quatorze milhões de desempregados.

Portanto, antes de se pensar em eleição direta intempestiva, dever-se-ia  se preocupar com a reforma política já, que contemplasse, entre outras coisas, por exemplo, a eleição somente de gente nova – nem os atuais e nem o ex-políticos -, a revisão constitucional em que constem (a) a extinção de  privilégios de foros e da prerrogativa de o presidente da República indicar os ministros do STF, devendo este tribunal superior ser preenchido apenas por magistrados dos quadros do próprio Judiciário, mediante sabatina do Senado; (b) a instituição  do voto facultativo, do sistema distrital puro de eleição e da candidatura avulsa sem vinculação partidária; e  (c) a redução drástica de partidos políticos e da quantidade de parlamentares no inchado Congresso Nacional e demais legislativos.

* Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Polícia Federal suspende por tempo indeterminado a emissão de passaportes


Helicóptero da polícia lança duas granadas contra Supremo na Venezuela


Maduro ameaça ir às armas caso haja risco de destruição da revolução bolivariana


Procuradores escolhem hoje nomes que vão compor lista tríplice para a PGR


TRF4 reverte decisão de Moro e absolve Vaccari em processo da Lava Jato


Em relatório final, PF diz que Michel Temer embaraçou investigações